14 julho 2009

Afinal Quantos Somos?

A abstenção foi amplamente debatida após as últimas eleições Europeias. Aliás, era imperativo que o fosse, pois os dados da abstenção foram vergonhosos, e demonstram um distanciamento e alheamento dos portugueses em relação à política….ou vice versa.
Surgiu, e bem, na sociedade civil, um “Movimento pró Voto”, que promoveu inclusive um debate público, realizado na Universidade dos Açores. Este Movimento é encabeçado por um dos membros desta “máquina”; o Sérgio Santos.
Mas os números aberrantemente absurdos da abstenção, podem ter sido empolados por vários factores. Desde logo, estas eleições foram as primeiras que dispensaram a anterior obrigatoriedade do recenseamento eleitoral, passando os cidadãos portugueses com mais de 18 anos, a ficarem automaticamente inscritos nos cadernos eleitorais. Este facto pode ter contribuído para uma falta de consciência de alguns mancebos, que entretanto conquistaram a maioridade, mas que desconheciam estar em condições de exercer o seu Direito e Dever Cívico.
Depois, a Comissão Nacional de Protecção de Dados da AR, realizou uma fiscalização ao Sistema Integrado de Gestão do Recenseamento Eleitoral (SIGRE), e, do seu relatório, constam várias falhas. (Ler aqui no I)
De entre as situações mais caricatas - não fosse o caso de serem graves e embaraçosas -, está o de uma mulher cujo nome consta 614 vezes nos cadernos eleitorais!!! Há também 9600 nomes iguais, e pessoas já falecidas que ainda constam como votantes. Um dos casos teria - acaso fosse vivo -, lugar no Guinness Book of World Records, pois nasceu ainda no século XIX, e teria hoje 136 anos!!!
Mas no rescaldo dos resultados eleitorais, a comunicação social também descobriu quem se esforçasse por baixar o, já previsível, elevado nível de abstenção. Foi o que fizeram alguns nossos concidadãos, que não prescindiram de votar por duas vezes, aproveitando o primeiro acto eleitoral pós Cartão do Cidadão.
Vamos ver o que se corrige nesta próxima fiscalização do SIGRE. Pois, caso contrário, Irão acontecer por cá, falhas que apontamos aos de .

20 comentários:

Caseiro da Herdade do Tio Zé. disse...

O voto é a arma do povo. O povo vota fica desarmado. Este blog ao apelar ao voto está a desarmar o povo e a aburguesar-se.

Caseiro da Herdade do Tio Zé disse...

Alerto o blog que a nossa Constituição proíbe movimentos e partidos "fascistas", e, como tal, a publicitação do Movimento Pró-Voto é ilegal.

A ilha dentro de mim disse...

Infelizmente, pelo que revela o relatório, é difícil acreditar que pelas ilhas também não existam falhas de recenseamento graves. Até porque foram as primeiras a ter o dito Cartão do Cidadão...
Quanto à abstenção, acredito que uma boa parte diga respeito aos açorianos que andam por fora sem quererem deixar de ser residentes.
Saudações,
LB

Benfiquista desde Pequenino disse...

O BENFICA deu um excelente exemplo de como se organizam os procedimentos eleitorais e votação, a qual decorreu rapida e tranquilamente, sem inscritos falecidos ou a votar mais do que uma vez. Claro que o país olhou para as mesmas pelo prisma da venda de jornais, pelo que talvez fosse boa ideia a malta do SIGRE perguntar como se realizaram e aprender.

Sérgio Santos disse...

O amigo Caseiro hoje deve ter deixado o cérebro em casa a marinar em água em benta. Só pode.
Em primeiro lugar, não somos um partido. Somos um movimento apartidário que apela à cidadania activa dos cidadãos através do seu direito de voto. Quanto a isso, pensei que estava esclarecido desde o início.
Em segundo lugar, ninguém está contra o voto, veja que somos pró-voto e não contra o voto. Se leu em algum sítio que estamos a promover a retirada desse direito aos cidadãos, deve definitivamente estar a precisar de trocar as lentes.
Mas se conhece tão bem a lei e os direitos do povo, levante o rabinho e faça alguma coisa. A sociedade agradece e eu de certeza que cá estarei de pé para aplaudir. É que, de treinadores de bancada iluminados, estão os sofás cheios todas as semanas.

Cumprimentos.

Toupeira Real disse...

O "Caseiro" deve ser um daqueles iluminados proto-históricos que reclama o regresso às liberdades de Abril, as concretas que reclamam o fuzilamento daqueles que pensam diferente. Ainda bem que este blogue não censura comentários pois assim qualquer mentecapto pode escrever o que quiser.

r. disse...

Muito boas informações trouxeste-nos aqui, Pedro, dão muito que pensar, sem dúvida. Pois, se, pessoalmente, prefiro a situação actual, no que toca ao recenseamento automático, uma vez que ficamos com melhor noção da realidade dos abstencionistas, ao contrário do que se passava antes, onde tapávamos o sol com a peneira, já no que diz respeito aos atropelos democráticos que o relatório faz referência, devia ser motivo de vergonha para o Estado português. E diz bem a LB quando levanta a questão em relação aos Açores.

Quanto ao Caseiro, o Sérgio já disse tudo. É fácil, é muito fácil mandar essas barbaridades sob o anonimato, não há qualquer responsabilidade, não é? É abrir a boca e deixar correr, neste caso deixar os dedinhos fazerem o trabalho. Como diz a Toupeira, aqui não há censura e as asneiras ficam para quem as diz, mesmo sob o anonimato, é com o próprio que vai ter de dormir logo...

Estafermococus disse...

Estive numa mesa de voto, e vi perfeitamente o que se pode fazer durante a eleição. Qualquer pessoa, sem qualquer documento pode votar. Só precisa de saber um nome e respectivo BI, numa freguesia.

Caseiro da Casa do Tio Zé disse...

o voto é a arma do povo e o povo fica desarmado ao participar nas eleições. Um movimento pró-voto ajuda a deixar o povo sem defesas e, por tal, é anti-democrático. Para leituras mais avançadas, recomendo "O Capital" escrito pelo Dr. Carlos Marx (especialmente, o capítulo 5,versículo 22).

r. disse...

Citar o Marx é audacioso, se bem que sou da opinião que ele deve dar voltas no túmulo ao ver-se associado ao comunismo, ao comunismo como o conhecemos, aliás.

Mas, Caseiro, o Marx também dizia que a Democracia é apenas o caminho para o Socialismo.

No entanto, aquilo que mais me importunou nos seus primeiros comentários foi catalogar o Movimento Pró-Voto como um partido fascista. Certamente não se informou sobre a natureza do Movimento e sobre os seus nobres objectivos.

Caseiro da Herdade do Tio Zé disse...

Considerado R.,
Poderá conferir nas teses de Maurras, entre outros, que o Fascismo pode consubstanciar-se na rejeição do poder popular. A votação ao ser realizada deixa o povo sem poder sobre os órgãos soberanos.
Nesse sentido, o apelo ao voto é anti-democrático.
Mas não é culpa do Movimento Pró-Voto. O paradoxo da democracia é que a sua renovação é também a sua destruição.

Pedro Lopes disse...

O Tio Zé devia ter uma biblioteca recheada lá no seu monte Alentejano, e o seu caseiro muito tempo livre para a ler....mas, talvez por ilitracia, não a soube compreender :)

Ó Sérgio, há quem aproveite o anonimato para exprimir opinião construtiva. Por outro lado, há os que o usam para debitar frustrações reprimidas.

Caro/a "Toupeira real", quando vem à superfície e nos faz uma visita, tem sempre algo de real(mente) esclarecido para nos dizer.

Cara LB, está coberta de razão. O facto dos Açores terem sido escolhidos como pioneiros na implementação do cartão do cidadão, pode ter levado a situações semelhantes; votos em duplicado. E neste campo, só agrava os elevadíssimos índices de abstenção.
Por outro lado, refere, e bem, que alguns Açorianos, que já não residem no Arquipélago, por múltiplas razões (estudantes, trabalhadores deslocados, emigrantes clandestinos, etc..) podem ter ajudado a uma abstenção que roçou os 80%.

Rui, este é um tema que nos tem preocupado, e, ao que parece, têm sido fundadas as precupações aqui expostas em vários posts. Se por um lado os números são vergponhosos, por outro, quem de direito não tem evitado que as listas tenham os erros grotescos agora detectados. Há que fazer uma purga aos cadernos eleitorais, e melhorar o SIGRE. Ficou a promessa do Secretário adjunto da Administração Interna. Vamos ver se a tempo das próximas eleições.

Caro "estafermococus", é sempre bom ler a opinião de quem tem conhecimento de causa. O seu testemunho vem fundamentar o que o relatório detectou, e não pode deixar de nos assustar perante as tropelias - para ser ligeiro - que são possíveis.

Caro "benfiquista desde pequenino", constato o seu amor clubistico. Mas o facto de constar dos cadernos eleitorais do seu clube desde a nescença confere-lhe, segundo sei, mais votos do que um sócio com menos anos de sócio. Ou seja, tempo é posto. Tempo e idade dão mais votos. O que o aproxima da Sr.ª D. Maria Martins ;)

Caseiro da Herdade do Tio Zé disse...

Queria pedir aos bloggers desta casa que, ao bom jeito dos meios de comunicação social de países que dizem estimar, assumissem publicamente a sua afinidade ideológica com o Integralismo Lusitano.
O leitor deve saber claramente a orientação dos órgãos de comunicação social que consulta.
Obrigado.

Pedro Lopes disse...

Caro "caseiro",

em primeiro lugar este blog não pretende ser equiparado a um OCS.

Em segundo lugar, queira V. Ex. identificar-se primeiro, para depois poder pedir algo aos que aqui escrevem.

Por último, mas não menos importante, como aqui escrevem 5 pessoas, cada qual pode ter orientações distintas das dos seus colegas de blogue, o que tornaria redutor qualuqer identificação deste blog com uma qualquer ideologia ou orientação.

cumprimentos.

Caseiro da Herdade do Tio Zé disse...

«O Tio Zé devia ter uma biblioteca recheada lá no seu monte Alentejano, e o seu caseiro muito tempo livre para a ler....mas, talvez por ilitracia, não a soube compreender :)»
Doutor Pedro Lopes

A única escola que tive foi a da vida e a do partido. Veja lá que fui o mais classificado no Curso Popular de Economia (87/88) do Centro de Alfabetização Pintor Dias Coelho.
Era desnecessário ter essa atitude serventuária do capital, que tem subjacente a ideia da exclusividade da educação para as elites (se possível num colégio de Jesuítas).

Tio Zé disse...

o Jardim é que tem razão, oficialmente ele pede para se alterar a Constituição para proibir o Comunismo, oficiosamente ele manda os comunistas e os vendedores de mentiras, para o Gulag.

Ó Caseiro como é que sabe o Pedro Lopes é Doutor? Ele fez algum Doutoramento, ou é Honoris Causa, ou você não é bem isso que diz?

Trate lá de ir arranjar o jardim!!!

Elementar, meu caro Watson!

Caseiro da Herdade do Tio Zé disse...

Caro Tio Zé,
Realmente, eu caí no vício burguês de chamar "doutor" indiscriminadamente, mais ou menos como o Pulido Valente faz.
Sugiro que neste blog se adopte a prática da Revolução Francesa de denominar todos (independentemente da sua formação) por "Cidadão". Exemplifico: em vez de "Doutor José Saramago", será daqui em diante "Cidadão José Saramago".

O Cidadão Alberto João esquece-se que Portugal viu a luz do dia porque a saudosa cidadã Catarina Eufémia derrubou o Fascismo pela força do seu exemplo!

PS - Repararam que disse "cidadã Catarina Eufémia" em vez de "doutora"? É fácil. Agora é a vossa vez!

Tio Zé disse...

Mas como é isso de "agora é a vossa vês"?!?!

Já te disse, o teu trabalho é tratar do quintal e dos animais, por isso é que te contratei para caseiro.

Acabou a discussão. É o que dá dar confiança a gente que pensa que se pode equiparar aos outros.

Zé das Medalhas disse...

Parece que temos por cá um novo camarada operário sapateiro Manuel da Graça, desta vez caseiro de qualquer coisa. Aturem-no pois deve ser mais um daqueles saudosos do 25/04 com que vocês andaram a gozar nestes dias.

Toupeira Real disse...

O Caseiro lançou uma ideia interessante: O paradoxo da democracia é que a sua renovação é também a sua destruição. Por isso é que o Chavez, o Fidel e os camaradas soviéticos se pepetuaram no poder.
Renovação = Destruição, pelo contrário Manutenção = Salvação logo Salvação = Socratismo.
Se eu fosse socialista defenderia, no imediato, esta ideia com unhas e dentes e fundava um Movimento Contro-Voto.