11 dezembro 2010

Carlos César tem razão

Carlos César tem razão. Os Açores não têm muitos recursos disponíveis, designadamente financeiros. Estão é mal geridos por ele. Carlos César porque geriu mal os recursos naturais, humanos e económicos açorianos e os recursos financeiros postos à disposição dos açorianos, consegue manter há 15 anos a Região como a mais pobre do país e uma das mais pobres da Europa, a caminho de ser ultrapassada pelos novéis países da União Europeia. Estes últimos estão seriamente comprometidos no seu desenvolvimento e, sobretudo, possuem, na globalidade, recursos humanos mais qualificados do que o "faz-de-conta" académico que o socialismo quer fazer crer que possuímos. Carlos César tem razão onde eu gostaria que não a tivesse. E, lamentavelmente, não se dá conta disso porque julga que ele é a Autonomia, esquecendo a História da mesma e esquecendo que nós, povo, também a conhecemos, posições dele incluídas. É por este legado que será lembrado, quando a História o julgar, apesar dos sempre disponíveis revisionistas.

11 comentários:

Rui disse...

Gostei particularmente quando afirmou que "os Açores ainda são uma região pobre". Ainda? Como se estivessemos a evoluir, não? E como neste assunto do regime compensatório fazem-se sempre comparações com a Madeira, que tal fazer uma comparação com a pérola do Atlântico? Não pode ser só quando convém.

Então, vejamos, segundo o Eurostat, o PIB dos Açores subiu, entre 1996 e 2007, de 60% para 67%. Muito bem, sim senhor.
No mesmo período, a Madeira subiu de 68% para 96%!!!

Anónimo disse...

Aparentemente o Secretário Regional da Saúde já arranjou um psiquiatra para receber 12000

Isto é que são novas oportunidades de emprego!!!

E a nível de poupança, temos aqui uma prova de que deve ter faltado a essa aula.

Melhor do que isso, parece que esse psiquiatra andava disfarçado por ai de médico de clínica geral em S. Jorge.

Por que será?

Aparentemente isto ainda vai dar que falar...

Anónimo disse...

Obviamente que Carlos César tem razão.

A Berta pode já ir fazendo a trouxa para o lar do Walter Ponte...

cefaria disse...

Já há muito tempo que afirmo sensivelmente o seguinte:
A principal falha do regime autonómico dos Açores foi não conseguir um desenvolvimento que tornasse o Arquipélago autossuficiente, mantendo estas ilhas dependentes da solidariedade nacional... até ao dia em que esta termine. Infelizmente, foi o Governo Regional que deu o primeiro passo a caminho da desconfiança para que a solidariedade fique em risco e no futuro este lacuna autonómica comece a ser sentida pelos Açorianos.

Rui disse...

Caro Cefaria,

A minha questão é simples: os Açores têm condições para serem auto-suficientes?
Actualmente 38% do Orçamento da Região são transferências, cerca de 26% do continente e 12% da UE. Só que depois há uma série de serviços, essenciais ao funcionamento de uma sociedade, que são fincanciados pelo Estado e depois muitas outras dinâmicas da Economia açoriana também dependem directamente do facto de sermos parte integrante do Estado português.
Não creio que a solidariedade nacional exista, sequer, no entanto. Penso que há uma relação assente,antes de mais, culturalmente, mas também assente numa relação de co-dependência. Se os Açores precisam, efectivamente, de Portugal para existirem, com a qualidade de vida que temos, por outro lado Portugal também retira muito do facto dos Açores fazerem parte do seu território. Tanto a nível de zona marítima, como em termos geoestratégicos.
Esse conceito de "solidariedade nacional" é algo que foi construído.

Anónimo disse...

Quem quer tirar a solidariedade é a escumalha do PPD do Continente!

O Corvo das Flores disse...

Segundo alguns iluminados cesaristas solidariedade nacional quer dizer dar dinheiro para o governo regional gastar em festas e elefantes brancos estilo portas do mar ou subsidiar os barquinhos para ali acostar. Se se pedir igualdade de tratamento é exploração colonialista e anti autonomia. Sanguessugas.

Vocês precisam é duns bons açoites e toiteções! disse...

Segundo alguns iluminados laranjas, solidariedade nacional, quer dizer dinheiro para o governo regional do Bokassa da Madeira gastar no futebol profissional, mas macacadas do carnaval ou enfiar no banco dos cavaquistas do D.Loureio e O. Costa.

Cambada de traidores!

As Flores do Corvo disse...

Olha, olha quem entrou para a gestão do Santa Clara: o San Bento para dar dinherinho dos contribuntes. Ola para a vergonha do Pico: 15000 habitantes, equipas suficiente para 2 milhões a andarem à nossa custa. É oi PS em acção: votos em troca de subsídios

Anónimo disse...

Já há revisionistas???!!!!!!!!

cefaria disse...

Rui, suspeito que os Açores dificilmente conseguiriam a autossuficiência total, mas a autonomia deveria maximizar o seu produto, para não ficarmos tão dependente do exterior e é isto que penso qye já há muito tempo a Região não tem procurado fazer e disfarça reivindicando verbas em nome da solidariedade e depois diz que têm as contas equilibradas...
É nesta solidariedade construída que agora se deu uma machadada.