02 fevereiro 2011

Cidadania Virtual*

Na semana que passou, assistiu-se a uma acesa troca de argumentos na Assembleia Legislativa Regional a propósito do uso da internet para fins políticos.

Este é um assunto que me é particularmente caro, uma vez que tenho marcado presença nos diversos fóruns políticos virtuais que vão surgindo e posso, em certa medida, confirmar que a utilização da internet ao nível político e de exercício de cidadania activa pode assumir uma enorme importância..

Há uns anos atrás, a política nos Açores, tal como no resto do mundo, era muito debatida na internet, em particular nos blogues. Muitos e frutíferos debates tiveram lugar virtualmente, com pessoas dos diferentes quadrantes políticos a intervirem publicamente. Na verdade, a blogosfera era um espaço altamente restrito e até elitista na altura, o que concedia alguma privacidade e à vontade aos intervenientes. No entanto, nos Açores, ao contrário do que aconteceu no resto do país e no mundo, o debate político na blogosfera foi definhando aos poucos. Isto terá acontecido porque, na blogosfera, não há controlo de identidades, pelo contrário tem-se vindo a registar uma cada vez maior prevalência do anonimato. Em determinadas ocasiões o anonimato até poderá ser aceitável, uma vez que é simplesmente impensável para muitas pessoas exprimirem as suas opiniões políticas abertamente nos Açores. No entanto, o uso do anonimato para esse fim é a excepção, sendo que a regra é o uso abusivo, para se lançarem calúnias e rumores sobre figuras públicas e sobre quem escreve. Facto simplesmente inaceitável que contribuiu, aliás, directamente para o empobrecimento da blogosfera nos Açores. Neste contexto, levanta-se sempre a questão da regulamentação do uso da internet.

Paralelamente, surgiram as redes sociais, como o Facebook, que afastaram ainda mais os utilizadores da blogosfera. Nas redes sociais a questão do anonimato não se coloca, pois todos estão completamente identificados e, não estando, há a possibilidade de não se estabelecerem contactos com anónimos, ao contrário do que acontece nos blogues.

Ora, a questão da evolução que se assistiu na blogosfera nos Açores é significativa de todo o exercício de cidadania nas nossas ilhas. A fase primária, demonstra que temos alguns bons analistas nos Açores. Existe, efectivamente, muito mais vida para além dos habituais comentadores políticos que vemos, por exemplo, na RTP-Açores. No entanto, o seu declínio demonstra também que ainda não se vive nas nossas ilhas uma verdadeira Democracia. Actualmente, nos Açores, há um clima de medo e represália que é, em tudo, prejudicial ao bom funcionamento democrático e, bem assim, desenvolvimento da nossa sociedade.


A blogosfera nos Açores já conheceu melhores dias, disso ninguém tem dúvidas, mas continua a ser a ferramenta na net que dá aos autores espaço de manobra para explanarem as suas opiniões e argumentos. As redes sociais, tal como as conhecemos hoje, apesar de trazerem outras mais-valias, ainda não ultrapassaram os blogues, neste contexto. No entanto, para uma vastíssima maioria dos consumidores da realidade virtual, a preferência são as redes sociais, em particular o Facebook. Cabe aos políticos saberem tirar proveito destas novas ferramentas. Mais ainda porque há a clara ideia que os elevados níveis de abstenção que se têm verificado em eleições, têm maior incidência junto dos jovens. O uso da internet, em todas as suas valências, tem que servir também para os aproximar da vida cívica.

O debate político está cada vez mais na internet, nos blogues e nas redes sociais, e aos poucos vai-se democratizando cada vez mais. O ruído e o excesso de informação pode, efectivamente, ser prejudicial em muitos casos. Mas, em última análise, pesados os prós e os contras, o uso da internet é uma mais valia para a Democracia.

* crónica semanal na 105.00

7 comentários:

A ilha dentro de mim disse...

Concordo plenamente Rui. Mas confesso que já tenho alguma saudade desses saudáveis debates dos "primórdios" da blogosfera açoriana. As redes sociais são muito úteis, mas não é bem a mesma coisa... :-)
Saudações do Tejo,
LB

Anónimo disse...

Nos Açores, há medo?

Medo, havia era no tempo do Mota Amaral, que estava tudo controlado; não havia liberdade na comunicação social, os jornalistas eram ameaçados e coagidos; havia censura na RTP-Açores e na RDP-Açores.

Só houve verdadeira Liberdade a partir de 1996 e basta referir que, ao contrário da Madeira e do Continente, o Governo Regional não controla nem é proprietário de nenhum orgão de comunicação social.

Na verdade há nos Açores Liberdade a mais.

Basta consultar o vosso blogue que dizem as coisas mais díspares e disparatadas sobre o Governo e sobre César e não lhes acontece nada.

Na Madeira, o Alberto João, já vos tinha metido em tribunal, como ele faz com toda a oposição.

Não se esqueçam que o Alberto João é muito apreciado pelo vosso Cavaquinho da Silva.

Anónimo disse...

E o que ganhava o "Alberto João" com a ida destes rapazes a tribunal?

Anónimo disse...

Olha o Alberto João processa constantemente o José Manuel Coelho (o homem tem todos os seus rendimentos penhorados) e um ex-líder do PS-Madeira foi obrigado a pagar ao Alberto João 35.000 euros de indemnização, o qual vai entregar à «Sopa do Cardoso», cujo presidente da AG é o próprio Alberto João.

Vocês devem dar graças a Deus por viverem na região mais livre do Mundo, ao nível dos EUA ou do Reino Unido.

Anónimo disse...

ui, são seguidos os que andam nesses serviços regionais com medo de represálias...
é, estás caladinho, ou levas no focinho.
o joão jardim recorre aos tribunais, faz tudo às claras, não é como cá, que é tudo feito à debaixo da mesa, pressõezinhas aqui e ali da pior maneira possivel.

cefaria disse...

Infelizmente há problemas de dinamismo da blogosfera açoriana, todavia há debate, há contraditórios e só não é mais divulgada porque os OCS da Região também não pegam no que aqui se passa, até talvez por protecção face à sua comodidade e subsidiodependência.
Claro que o anonimato mina a blogosfera, mas também o controlo prévio de comentários anónimos de apenas mal-dizer também podem tornar mais interessante um debate saudável.

Anónimo disse...

Comentários de nível superior só no Ilhas, o blogue do vosso amigo JNAS.