05 junho 2012

Sobre a impaciência

«Aguardamos apenas a realização de condições convenientes para que o remédio não seja pior de sofrer do que o mal que se destina a curar.»

                                                                                           António de Oliveira Salazar

4 comentários:

José Freitas disse...

Um programa recente da SIC Notícias disse mentiras sobre o caso «Equador», que tem partes copiadas de «Cette nuit la liberté»
A Censura anda muito activa nos comentários dos blogs. Espero que deixe passar este comentário.
Em www.anticolonial21.blogspot.com está a verdade inconveniente sobre a cópia de partes de «Cette nuit la liberté» por Miguel Sousa Tavares para o livro «Equador».

Anónimo disse...

Caro Rui
É interessante que o autor cite Salazar para dizer que há necessidade de esperar por condições convenientes(resta saber quais) para que o remédio não seja pior que a cura.
Não só o tempo é o pior e o melhor auxiliar da cura, como a questão não é dar remédios ao doente, mas sim dar-lhe os acertados.
Assim não é esperar para que a santa providencia(como gostam os neo liberais)resolva os problemas, o tempo de aplicação dos remédios, deve ler-se medidas politicas adequadas para atacarem a tempo os problemas, deve ser imediato para fazerem o efeito desejado, mas mais do que isto elas devem ser os adequados, nem uma coisa nem outra vemos este governo Nacional do PSD/CDS a fazer.( se o governo do César esta a copiar esta letargia, tanto pior, mas penso que mau grudo as suas responsabilidades, será sempre subalterno o papel do governo regional face ao Nacional e à Troika).
Não sei por isso a intenção do autor, mas certamente entenderá que basta de estar com os braços cruzados quando o País se afunda "alegremente".

Anónimo disse...

José Freitas

Bem vindo

Por aqui não se censura. Modera-se, o que não é a mesma coisa.

JG

Anónimo disse...

Foram as palavras e as acções sábias do Grande Líder que nos arrastaram, pelas orelhas, da idade média para a cauda, ou melhor, para o cú fedorento da Europa, onde permanecemos desde então.