19 outubro 2006

A sondagem da RTP-A e NORMA

Os resultados que a sondagem da RTP-Açores e NORMA apresentaram são surpreendentes. Achei incrível como Carlos César e o executivo dos Açores tiveram valores de aprovação tão altos. Como é que é possível? Principalmente tendo em conta as asneiras que o Governo tem feito. O transporte marítimo inter-ilhas, a atribuição de fundos da Segurança Social indevidamente a pessoas que se veio a saber serem candidatos do PS, e pior que tudo isso, o compadrio descarado na Administração Pública açoriana. Não serão estes – e ainda há mais – factores suficientes para os açorianos mostrarem um cartão amarelo (no mínimo) a este governo? Claro que são.

Em primeiro lugar há que compreender que trata-se de uma sondagem. É importante, mas não se pode sobrevalorizar; tem o valor que tem. No entanto, deve fazer a oposição compreender que tem que fazer mais e melhor. Os argumentos estão aí para serem usados, é preciso fazer com que cheguem ao público. É preciso que esse público perceba que está ser ludibriado e enganado. E como é que se faz isso? É preciso usar os meios de comunicação social, estes são uma ferramenta cada vez maior, actualmente. Carlos César e o Governo PS já perceberam isso e usam-os. E essa é a razão principal destes resultados, os principais órgãos de comunicação social açorianos são joguetes nas mãos do poder. Além disso não há investigação de fundo nos media açorianos, porque se houvesse muitos mais podres viriam ao de cima.

Ainda em relação aos resultados há que realçar o facto de haver muitos inquiridos que não têm opinião formada. O alheamento das pessoas da vida política é algo que deve ser estudado e aproveitado pelas forças da oposição.



Gotan Project - Triptico

3 comentários:

claudio almeida disse...

muito bem rui!
é preciso explorar o campo dos que não têm opinião formada, e os novos recenciados.

jeremias disse...

É claro Rui, não passam de meros numeros!
e Cesar está cada vez mais a ir ao fundo!

PP disse...

Caro Jeremias, é certo que César desceu um pouco nas sondagens, mas a continuarmos com estes números, o próprio vai poder dizer que é o povo, o eleitorado, quem lhe pede que fique.

È pena que César já não se recorde que ele próprio levantava a bandeira da alternância democrática, isso no tempo de Mota Amaral, porque agora, já será o povo quem lhe pedirá.

Com o nível (baixo) do nosso eleitorado, as sondagens deveriam excluir o nome do nosso Pesidente. Talvez assim se pudesse fazer outra leitura.