02 julho 2007

Estado Natureza...no Pópulo




Os autores contratualistas deram a definição de Estado Natureza, para podermos entender a sociedade civil. Thomas Hobbes foi o primeiro a estabelecer essa definição, na obra O Leviatã, como qualquer situação onde não há um governo que estabeleça a ordem, onde todos estão em guerra contra todos. Com o Contrato Social todos os homens delegam o seu poder numa entidade superior que fica encarregue de estabelecer a ordem necessária. Essa entidade foi o Estado.

Ora, tudo isto parece ser apenas teoria, que serve para entendermos os modelos estatais actuais e que o tal Estado Natureza não existe, pelo menos numa região como os Açores. Pois desenganem-se. Hoje em dia, em plena Praia do Pópulo, vive-se um autêntico Estado Natureza, onde não há regras e impera a lei do mais forte. Aqui ficam dois exemplos, que espero servirem para, pelo menos, alertar a esta situação.

10 comentários:

Rui Gamboa disse...

´Tenho pena, caro Rui, mas temo que este post não seja suficiente para alterar esta situação, digo cáus.

Perfiro, sem dúvida, o "Estado Natureza" sem as "cores" dos automóveis, mas já que por cá andam, exige-se disciplina no estacionamento.

Tu, enquanto morador, sofres diáriamente, mas eu, tal como outros que frequentam a verdadeira Praia do Pópulo, também sentimos os incovenientes deste desordenamento.

Deveria haver, como já falamos, uma entrada e só saída, pois existem dois acessos á praia pela estrada regional. Depois, riscar no chão o estacionamento permitido, e punir quem prevaricar.

"Temos" a mania de estacionar sempre "á porta" de tudo, seja uma curva ou um passeio, impedindo o trânito automóvel e de peões, não importa, o que interessa é não "cansar" as pernas.!!!!

Uma ida á praia pode bem ser precedida e antecedida de um pequeno passeio, ou não?
Pedro Lopes | 03.07.07 - 8:51 pm | #

pedro lopes disse...

Vejo que regressamos á velhinha caixa de comentários. Ainda bem.

claudio almeida disse...

Caro amigo Rui.
Depois de umas ferias, aqui estou eu de novo.
Quanto a esta questão, fazendo utilidade e cumprindo o dever de membro da assembleia municipal de Ponta delgada, vou fazer chegar esta questão a presidente da camara.

Pedro Lopes disse...

Caro Cláudio, ainda bem que podes levar essa nossa inquietação a quem de direito. Assim, pode ser que este verão ainda possámos ver disciplina e ordenamento na Praia do Pópulo.

Seria conveniente que, antes de qualquer intervenção por parte das entidades responsáveis, fossem ouvidos os moradores daquela zona, pois saberão identificar os problemas e apresentar potenciais soluções.

Rui Gamboa disse...

Tens toda a razão, caro Pedro Lopes. Nós, enquanto moradores, temos um conhecimento de quais os problemas e onde podem ser minimizados, por via do nosso convivio diário com tais tropelias.

Caro Cláudio, esse é um exemplo de como se deve ouvir as populações e encaro-te como uma pessoa sensível a esse tipo de assunto. Já tinhamos dicutido esta questão em privado e já me tinhas dito que levarias a questão a quem de direito. Sei que se não houver evolução, tu fizeste o que podias, e isso tem o meu reconhecimento.

Anónimo disse...

Até parece que a Presidente da Câmara é um cabo de esquadra da Secção de Trânsito !!! Chamem a polícia e toca a multar, bloquear, rebocar ou o que melhor servir para repor o estado natural da legalidade do Código da Estrada. Para isso não é preciso um autarca !!!

Anónimo disse...

...faltou assinar,
JNAS

pedro lopes disse...

Caro JNAS,

essa é uma solução de punição imediata, mas que não resolve o problema de fundo.

O que se pretende para aquela aprazivel zona, é ordenamento na circulação e no estacionamento.

Cada entidade deve fazer aquilo que lhe compete, na busca de uma solução e não só procurando o prevaricador....que no caso em apreço, deve ser dificil de identificar, pois não há uma definição clara (riscos no pavimento), de quais os lugares onde é, ou não, permitido estacionar.

Rui Gamboa disse...

Sem dúvida que sim, Pedro. Pergunto então ao JNAS, como poderá multar a polícia se não há infracção?? No caso do carro em frente ao portão até admito que sim, mas toda a rebaldaria de como se estaciona, sem qualquer respeito pelo próximo, não pode ser multada.

Quem tem a competencia de regulamentar é que pode fazer alguma coisa, para que depois a polícia possa multar...

Rui Gamboa disse...

Não sou nenhum perito em questões legais, mas acho que é evidente, que ninguém pode ser acusado de faltar à lei, se a lei não existe.

Como diz o Pedro, ao ouvir-se as populações pode-se ficar com uma noção de quais os problemas e até com algumas soluções. Eu apresento duas soluções que facilitarão muito todo o tráfrego e estacionamento nesta zona:

1º pintar no chão lugares de estacionamento, obedecendo a regras que permitam a circulação de todos de forma conveniente.

2º um só sentido na Canada do Borralho, de preferência de Nascente para Poente, porque permite a saída para a Estrada Regional de forma mais segura.

Ah, e já agora uma terceira recomendação: mesmo que não se faça nada disto, que pelo menos se coloquem alguns sinais de trânsito, como que sentido se deve fazer naquela pequena rotunda, etc.

Aí sim, a Polícia já poderá intervir...