08 dezembro 2007

"Residências Fantasma"

Já lá vão dois anos, e parte do complexo de residências para estudantes universitários da Universidade dos Açores, situado nas Laranjeiras, continua sem servir os intentos para os quais foi construído – acolher estudantes da UAc.

Noticia-se que tal facto se deve à falta de verbas para adquirir mobiliário para esta infra-estrutura!!! Segundo me dizem, os quartos são exíguos, daí se poder deduzir que não será necessário mais do que uma cama, uma secretária e respectiva cadeira, e, quiçá, uma mesa-de-cabeceira para leituras mais tardias e para o indispensável despertador, para poder “enchê-los”.

Não me parece que equipar umas poucas dezenas de quartos custe assim tanto, ao ponto de ser preferível mantê-los encerrados – com custos adicionais para alguns estudantes que ali se pudessem instalar, bem como a degradação de um imóvel por estrear –, em vez de se negociar uma forma de adquirir tal mobiliário, de modo a viabilizar a abertura de um espaço já existente e disponível.
Claro que a par desta questão, surgem os custos inerentes a manter em funcionamento um espaço destes. Mas, pergunto eu; não há planeamento que evite situações destas, em que se gastam dinheiros públicos com algo que não é viável ou que não serve ninguém???!!!

Esta “falta de mobiliário depois de obra pronta”, trouxe-me à memória o caso da Casa Museu Manoel de Oliveira, aqui descrito no Jornal de Noticias.

Outro triste exemplo de falta de planeamento…….ou será de mau planeamento, pois o guião ditava que o cineasta portuense já estaria morto aquando da conclusão da obra, e, portanto, o seu espólio pronto a ser doado para “memória póstuma”!?!?!!!!

2 comentários:

Rui Gamboa disse...

O Luís Anselmo, do Pari Passu, olha para esta questão por outro prisma: defende que o problema não é a falta de mobílias, mas sim num "projecto megalómano", que não foi devidamente estudado. Será assim? A UAc teria necessidade de ter um lar deste tamanho?

pedro lopes disse...

Carissímo Rui,

guiado por ti, revisitei o "Pari Passu", e, para além de ler o post a que te referes, deparei-me com uma feliz coincidência; Luís Anselmo - o autor do dito blog -, publicou dois post seguidos sobre os mesmos assuntos dos meus dois últimos posts. Significa, no minimo, uma preocupação e identificação com temas comuns. (embora com abordagens distintas) :)

Quanto ao assunto que Luís Anselmo refere (o sobre dimensionamento dessa infre-estrutura universitária), é pertinente, pois pode ter havido, aqui, uma ânsia de aproveitar verbas sem, de facto, olhar às reais necessidades. Daí ser referido que "projectos megalómanos (...) não passam uma simples e honesta análise de custo/benefício."