11 dezembro 2009

Não digam que não avisamos!

Não me diz respeito, mas, depois do que vi escrito num artigo assinado por Francisco César no AO, fiquei com a sensação de que o mesmo se equivocou, colhendo para si louros alheios e atirando pedras para o quintal do vizinho, esquecendo-se de que, qual gaulês, o céu pode cair-lhe em cima.

Com efeito, ao apontar uma eventual subalternização do PSD-A, relativamente ao PSD nacional (que não discuto, por desconhecer), olvidou o facto de que o PS-A também "não conta para o Totobola" do PS nacional, por muita colagem que tente.

Na realidade, a opinião do PS-Açores terá tido a importância que a maioria relativa lhe concedeu e, como é sabido, a margem de manobra dessa é pouco mais que nada.

A verdade é que o Governo Regional e o PS-Açores apenas e só tiveram de se submeter aos ditames do realismo e esses foram determinados pelos pequenos partidos, não pelo PS.

Sócrates, de mãos atadas, fez o que a evidência dos factos lhe impuseram. Nada mais.

Muito provavelmente, para o efeito, valeu mais a opinião de Artur Lima ou Aníbal Pires do que a de Carlos César.

Lamentável, para todos, açorianos ou madeirenses, é que alguém conceba a Lei das Finanças Regionais como um meio de "lixar" o outro, independentemente de se "lixar" a si mesmo.

2 comentários:

Rui disse...

E hoje este post ganhou uma outra dimensão.

Serrote disse...

"E hoje este post ganhou uma outra dimensão"

Também acho, mas, vou mais pelo "Blog" em vez de "post"

Aguentem-se sempre e, "afinquin as unhas nos lençóles, dá más jeite p`aguerrá".