18 janeiro 2010

O casamento de um pessimista

Um destes dias, um amigo, que já não via há algum tempo, interpelou-me, zangado, sobre a história do casamento homossexual, dizendo, basicamente, que estava a pensar em "rasgar" o contrato celebrado com a mulher, há quase nove anos, porque não queria ser confundido com "aquela fauna monocromática", pois se alguém olha para uma instituição secular, com a "leveza de espírito do senhor Sócrates", certamente seria melhor colocar-se num estado em que a mesma já não o afectasse, ainda que, a partir daquelas circunstâncias, tudo passasse a ser relativo.
Procurei apaziguá-lo, apontando-lhe alguns entraves sociais, políticos e jurídicos, mas nem isso lhe causou qualquer comoção mais racional, até ao momento em que, já em desespero argumentativo, recorri ao Direito do Trabalho e lhe disse que deveria olhar para aquilo como fazia com os contratos de trabalho. O secular casamento dele, que o visse como um contrato sem termo; o moderno casamento, que olhasse para ele como um contrato a recibos verdes (mesmo que falsos recibos verdes), no qual os trabalhadores vão estando, com um pé dentro e outro fora, sempre na mira de arranjar melhor empresa ou no desespero de serem sumariamente despedidos.
Mais descansado, mas não convencido, desatou a desfiar um rosário de lamentações sobre os malefícios do mercado paralelo nas economias ocidentais.
Eternamente pessimista, como sempre, este meu amigo.

2 comentários:

JNAS disse...

Magistral...seja como for no Direito da Família, Menores e Sucessões vão ter uma carga de "trabalhos".

Usuale disse...

Oi! Tem um site muito bacana que possui mais de 50.000 acessos ao dia e fazem parceria com blogs/sites, vale a pena! Eu já fiz o meu!Só lembrando que como se trata de uma parceria você tem que colocar o selo deles também no seu blog/site também que você pode pegá lo no mesmo link abaixo!Senão você não receberá acessos!

Aí vai o link: http://www.guiademulher.com.br/enviar_blog.php


Um abraço!