30 novembro 2011

Plano e Orçamento 2012 - Das Apostas às Propostas


Está-se a debater esta semana na Assembleia Legislativa Regional dos Açores, na generalidade, o Plano e Orçamento da região para 2012. Quer isto dizer que se estão a discutir e a traçar as linhas mestras de como vai ser gerido o nosso dinheiro para o próximo ano.

Segundo a proposta do governo e o seus dados oficiais, o Orçamento do próximo ano será de 1,079 milhões de euros, menos 270 milhões que o Orçamento deste ano. Ou seja, há uma redução de cerca de 17% no total. No entanto, e ainda segundo dados oficiais, os cortes nos gastos do aparelho governativo não acompanharão o corte do total. Porque se o corte no total é de 17%, os cortes nas aquisições de bens e serviços e nas despesas com pessoal será de apenas 5,7%. E o corte nas despesas correntes será de apenas 12%. Ou seja, no fundo, as despesas de funcionamento, da já enorme máquina governativa, vão é aumentar.

Mas isso é novidade. Aliás, se há algo que não pode ser apontado ao governo regional dos Açores nos últimos anos é de falta de coerência na forma como gere o nosso dinheiro. Tem sido sempre igual: no triângulo que sustenta qualquer economia: famílias, empresas e Estado, o governo regional socialista tem vindo sempre a fazer igual: tira das famílias e das empresas para aumentar no seu próprio peso. Assim, consegue criar mais organismos, observatórios, direcções regionais, assessorias, institutos públicos e mantém as empresas públicas. Tudo numa óptica de favores por empregos, com vista, claro, às eleições do próximo ano.

Trata-se, como é evidente, duma forma altamente irresponsável de governar os Açores. Porque, como facilmente se vê, o interesse e o objectivo deste governo e do partido que o sustenta não é o desenvolvimento económico do todo regional. O interesse e o objectivo deste governo e do partido que o sustenta não é evitar o aumento desenfreado do desemprego ou a morte lenta do tecido empresarial privado. Não, o interesse e o objectivo deste governo e do partido que o sustenta é manter-se no poder. Uma forma irresponsável de governar que já fez mal demais ao país e à região.

Perante a evidência que o governo regional está cada vez mais pesado e com cada vez maior tendência de criar jobs, o PSD-Açores apresentou propostas para inverter essa tendência e devolver a possibilidade de criação de riqueza ao sector privado, às pessoas, às famílias.

Para tal, antes demais, o PSD-Açores fez uma ronda pelos principais parceiros sociais e ouviu a sociedade civil. Assim, os sociais-democratas apresentaram propostas que têm exactamente como objectivo acabar com as gorduras do governo regional. O PSD-Açores propôs, por exemplo e em concreto, que o governo cortasse em 50% os seus gastos supérfluos em telemóveis, viagens dos seus membros, seminários, publicidades etc. e cortar também 50% nos administradores das empresas públicas regionais e usar essas verbas para reforçar o apoio às famílias mais carenciadas e às pequenas, médias e micro empresas, que estão a passar por enormes dificuldades. Além disso o PSD-Açores propôs também um aumento de 10 euros para o complemento dos pensionistas mais necessitados, ao contrário dos 4.5€ propostos pelo PS.

No entanto, certamente que a maioria parlamentar socialista não vai aprovar nenhuma destas valiosas propostas. Desde logo, por uma incompreensível questão de princípio de autismo político-partidário, e depois porque aprovar estas medidas seria o admitir do falhanço da governação socialista.

Espera-se, porém, que este seja o último Orçamento proposto pelo governo socialista. Espera-se que no próximo ano os açorianos já possam usufruir dum Orçamento feito e pensado para os próprios Açorianos, para o todo regional e não para a minoria que governa e ocupa os cargos públicos dirigentes.

4 comentários:

Nuno Henrique Pimentel disse...

tanto alarido e só propõem acabar com os gastos supérfluos do governo, como o gasto com telemóveis e das viagens e dos salários dos administradores das empresas regionais ? Quanto é que isso representa em termos de orçamento ? Quantos euros ? E porque é que o PSD já não propôs essa medida em anos anteriores ? Não me vai dizer que só este ano é que coisas pioraram, porque esse tipo de política de gastos supérfluos já não é novo...
E medidas mais substanciais para além da subida do complemento dos pensionistas ? E como é que as autarquias iriam ajudar no combate ao desemprego ? Aproveitar os fundos comunitários de que forma e quais? dirigidos a quem ? Quais são as medidas concretas e não gerais de que falam ? é isso que o povo que os elege quer ouvir e não um coro de generalidades que qualquer um pode debitar...
e se quer que seja sincero, não acredito que os sociais-democratas fariam muito melhor com o que lhes era dado nesta altura. façam o vosso orçamento e deêm-no a conhecer ao povo como alternativa ao socialista e aí veremos as diferenças. Esta guerra de politiquices, que um é melhor do que o outro sem a procura do bem comum e de uma vida melhor para quem os elegeu não tem feito parte da vida dos partidos políticos, por isso não se admirem quando as pessoas não estiverem minimamente interessadas no que têm para dizer e no que prometem já que em cenários pré-eleições são sempre os maiores e os melhores, prometem mundos e fundos e quando estão no poder pouco fazem para alterar o status-quo da real politik.


ps- este comentário pode ser visto como escrito por alguém que é socialista ferrenho, algo que não corresponde à verdade. Sou um simples cidadão, sem filiações partidárias nem ideologia ligada à esquerda ou direita. Estou simplesmente a dar o meu ponto de vista e acho que o sistema político de hoje em dia está completamente oco. Estou pouco a pouco a deixar de acreditar no que dizem na tv e nos jornais, a profissionalização da política foi o pior que aconteceu neste País, juntamente com a corrupção e o compadrio. Por isso tanto o PS como o PSD, CDS, PCP, BE e PPM não respondem de modo eficaz e verdadeiro ao que prometem em tempo de eleições.

Dito isto, espero que não se sinta ofendido com algumas das minhas considerações.
Cumprimentos

Anónimo disse...

E POR QUE É QUE OS DEPUTADOS DO PSD E O GRUPO PARLAMENTAR TEM AO SEU SERVIÇO CERCA DE 200 TELEMÓVEIS?

Rui disse...

Nuno Pimentel, antes demais, evidentemente que não me sinto nada ofendido com o seu comentário. São duvidas pertinentes e questões que fazem todo o sentido serem levantadas. No entanto, digo-lhe que, sem ter nenhum tipo de responsabilidades dentro do PSD, acho que não se pode aprofundar muito as propostas por uma simples razão: são recusadas de forma autista pelo partido da maioria, mas depois usa-as como sendo suas, passado algum tempo. Existem imensas provas de situaçoes dessas.

Bandeira Açores disse...

Esperemos por melhores orçamentos...
Esperemos que acabem os jobs for the boys, o pagamento de favores com jobs...
Esperemos que o próximo governo elimine as gorduras sérias.


Porque raio é que ninguém quer falar das empresa municipais?!


O problema maior do governo reside nas empresas municipais!

Vejamos, os políticos que foram eleitos aproveitam-se do dinheiro do contribuinte e tem direito a telemóvel, viatura e viagens pagas. Os políticos que não foram eleitos mas que arranjaram um lugar numa empresa municipal tem as mesma regalias, mas que raio é isto...