16 abril 2007

O Inferno de Dante...na Virginia

Não me vou alongar muito neste post, mas o Tiroteio de hoje, numa Universidade da Virginia, outra vez nos EUA, merece uma referência.

Uma referência de profunda tristeza e incompreensão face a acções destas, levadas a cabo por jovens, aparentemente, iguais a tantos outros.

Não percebo o que os leva cometer actos tão vis, que espelham uma enorme raiva acumulada, que os leva a pegar em armas, dirigirem-se a escolas ou universidades e começarem a disparar indiscriminadamente sobre quem com eles se cruze.

Triste pronuncio dos dias que correm.

P.S.- Ainda bem que em Portugal o acesso a armas de fogo, ainda, é escasso, pois a violência nas escolas também não para de aumentar.

6 comentários:

Rui Gamboa disse...

Ainda que não aprove de muitos dos métodos do Michael Moore, num dos seus filmes, Bowling for Columbine, ele tenta encontrar uma resposta para que tais comportamentos sejam mais frequentes nos EUA. Um dos dados mais impressionantes diz respeito ao número de mortes por assassinato, na cidade de Detroit os números são enormes, alguns kilometros mais à frente, já no Canadá, os números são muito mais baixos.

Isto para dizer que o problema é o acesso às armas nos EUA. Os tipos da NRA (National Rifle Association), como o actor Charlton Heston, dizem que não são as armas que matam as pessoas, são as pessoas que matam as pessoas. Palavras para quê?

Mais um caso muito triste, na única hiperpotência mundial. Será que a política externa agressiva, também não se reflecte internamente?

Pedro Lopes disse...

Pois é caro Rui,

como diz(em) o(s) outro(s), "são as pessoas que matam as pessoas". Mas o estudante sul-coreano que protagonizou este ataque cruel e inexplicável, não conseguiria fazer as, pelo menos, 32 vitimas mortais que fez, sem a ajuda de uma arma e muitas balas.

Já ouvi, hoje, o primeiro-ministro Australiano, dizer que a fórmula encontrada para que massacres destes não se verificassem no seu país, foi aprovar duras leis anti armas, que dificultam o acesso a objectos que matam ao sabor dos delírios de cada um.

P.S.- não me recordo de outro caso, em que um só indivíduo tenha asassinado um tão grande número de pessoas em apenas duas horas. Até numa guerra deve ser difícil....!

Rui Gamboa disse...

Esse argumento que não são armas que matam, mas sim pessoas, é o tipico argumento dos adeptos da librealização das armas de fogo. A NRA é uma organização muito grande, com grande influencia, que organiza varias feiras de armas, como se fossem roupas, ou outra coisa qualquer. Basta dizer que Dick Chenney é um adepto de armas de fogo e que há poucos dias foi numa caçada com uma amigo e deu-lhe um tiro na cara (sem querer, foi mesmo, aliás, deve ter sido).

Foi um tipo sul-coreano que matou? Nem sabia, foi apanhado vivo? Pensava que tinham morrido tamnbém. E já se sabe que foi um único atirador?

Pedro Lopes disse...

Rui, o atirador, digo, assassino, era um estudante sul-coreano de 23 anos, residente no campus universitário.

Até agora, parece ser o único responsável por este massacre.
Dizem as noticias que se suicidou, e que deixou um bilhete "acusando" os meninos ricos da Universidade por este desfecho.
Enfim.....um louco, aparentemente normal e "reservado".!!

Pedro Lopes disse...

Luís Costa Ribas, jornalista da SIC, falava há pouco sobre a "cultura das armas" vigente nos EUA, e dava como exemplo, uma Feira realizada anualmente num Estado do Sul, que traduzida à letra se designa, "Festival da Metralhadora".
Descrevia este "evento" como um convívio de entusiastas das ditas armas, e cujo principal objectivo era metralhar objectos, descarregando o máximo número de balas por minuto.

Os pais, desde cedo incentivam os seus filhos, e, dizia LCR, podem ver-se rapazes de 13-15 anos, de metralhadora em punho, abrindo fogo debaixo dos incentivados paternos.

E, "a cereja em cima do bolo, nesta Feira", dizia o referido jornalista, é alugar um helicóptero, e sobrevoar uma zona de sucata, onde estão espalhados rolos de dinamite, para os alvejar com uma super-matralahdora montada na dita aeronave, e provocar uma explosão cinematográfica.

Com Feiras destas, o que pesam que estão a criar?

P.S.- Foi dado um exemplo por LCR, sobre alguns Estados dos EUA, que timidamente aprovam Leis que limitam a compra de uma arma por mês aos seus cidadãos.
Timidamente, pois alguns Estados mais liberais, não permitem que Leis destas, que consideram limitadoras e atentatórias das liberdades das pessoas, sejam aprovadas.

Rui Gamboa disse...

Falei no caso do Chenney, para se ver como é adepto das armas. Mas mais incrível foi que, recentemente, Bush passou uma lei que permite que se leve armas para dentro de igrejas. Aparentemente, havia malta que gosta andar armado, mas que não podia entrar nos ditos lugares, acompanahdo da sua companhia. Bush apressou-se a resolver essa situação. Se o presi é assim, não admira que aconteçam cenas dessas.