05 janeiro 2009

...em jeito de Sugestão Para 2009

Temos sido bombardeados pela palavra “crise“. Mas não temos somente ouvido e lido sobre ela; também a sentimos. Sim, pois dizem que esta é daquelas que só surge uma vez em cada século, tipo cometa Halley. Calhou-nos a nós. Ela chegou. E instalou-se, espartilhando as economias e condicionando as nossas decisões futuras. É um autêntico efeito dominó.

Se 2008 começou com a crise dos cereais, à medida que o ano avançava, subia, dia após dia, o preço do barril de ouro negro. Também as taxas de juro acompanharam - nobre acto -, a subida dos combustíveis. Enfim, um sufoco total. Depois de meio mundo ter entrado em coma induzido, iniciaram-se as medidas de combate ao caos instalado. Mas estes cuidados, para alguns, já só podem ser paliativos….

Mas eis que na visita habitual ao quiosque dos jornais, me deparo com o irmão insular do afamado Almanaque Borda D´Água, o nosso Almanaque Açoriano dos Fenómenos da Terra, do Mar e do Céu, que constitui um verdadeiro “guia prático para o agricultor profissional e amador”.

Segundo este guia prático, 2009 pode trazer boas colheitas, por isso a sugestão que aqui deixo é; começar já em Janeiro a “preparação das terras para as culturas da primavera”. Para tal, basta retirar a relvinha do quintal, comprar o nosso Almanaque - ferramenta indispensável -, e “preparar canteiros e talhões para que a terra fique limpa e bem mobilizada e destorroada”. Depois (mas ainda durante o mês de Janeiro), podemos começar a “semear repolhos, couve flor, brócolos, rabanetes, alfaces, favas, ervilhas, cenouras, espinafres, e ainda se podem plantar alhos e chalotas”, e seguir as indicações do Almanaque durante este ano de crise. E se, a par da horta, quiser apostar numas galinhas e numa vaca leiteira, vai ver que a economia familiar sai a ganhar. Sim! Pois o Almanaque reza que "a pobreza rodeia, e torna a rodear a casa do homem diligente, mas nunca lhe põe o pé dentro"

Nesta enciclopédia da agricultura, também se podem encontrar os feriados e as datas das várias “Festas e Arraiais” que ocorrem durante o ano nas nossas 9 ilhas, bem como algumas “frases célebres” , entre outras curiosidades sobre os Açores.

O Almanaque anuncia um “Bom Ano Agrícola”, e na sua introdução adverte que “Mais do que um destino de chegada, este Almanaque pretende ser um ponto de partida, lembrando-te ideias antigas, sugerindo-te soluções engenhosas e incentivando-te a aproveitar a riqueza que a terra-mãe tem para te dar!”.

As nossas ilhas, também no que toca a estas áreas, assumem as suas idiossincrasias, por isso se regem por Estatuto próprio…

Bom Ano 2009.…. para todos e a todos os níveis. ;)

3 comentários:

Rui Rebelo Gamboa disse...

A crise é de confiança e, ao que parece, esse Almanaque é dá um empurrão para a retoma da confiança.

Já agora, no meu pacífico, abençoado e saudoso tempo de nordestense, constatei que quase todas as famílias seguem a linha de plantar as suas hortas, terem o seu porco, etc.

Há uns tempos, via um documentário sobre o Ambiente e as alterações climáricas, com um tipo - que me pareceu super-péssimista - que afirmava que no futuro iremos voltar a viver numa economia puramente agrícola familiar. As grandes cidades desaparecerão e o paradigma de mobilidade não será mais que bicicletas. Como digo o tipo pareceu-me péssimista a mais, mas nunca se sabe ;)

Legoman disse...

Xô Pedro,
não me diga que viu o almanaque no quiosque de jornais da maternidade?

Abraço

pedro lopes disse...

Prezado "homem lego",

embora no HDES exista, de facto, um quiosque de jornais, asseguro-te que não foi ai que o comprei.

Mas não ponho de parte que a "maternidade" me tenha despertado para a "riqueza que a terra-mãe tem para dar". ;)

um grande abraço ai pra casa.