20 outubro 2009

Da Justiça e da Frontalidade

João Miguel Tavares, colonista do DN, escreveu no passado dia 3 de Março que “Ver José Sócrates apelar à moral na política é tão convincente quanto a defesa da monogamia por parte de Cicciolina. (…) ultrapassa todos os limites da cara de pau. A sua licenciatura manhosa, os projectos duvidosos de engenharia na Guarda, o caso Freeport, o apartamento de luxo comprado a metade do preço e o também cada vez mais estranho caso Cova da Beira não fazem necessariamente do primeiro-ministro um homem culpado aos olhos da justiça. Mas convidam a um mínimo de decoro e recato em matérias de moral.”

Vai daí, o Primeiro-por-pouco-tempo-Ministro, na sua linha de lidar mal com a livre expressão, instaurou um processo ao colonista. Ora, fica-se a saber hoje que Sócrates perdeu e que o processo foi arquivado, uma vez que o artigo em causa traduzia “uma manifestação legítima de opinião”. Caso fechado. Conclusão: a verdadeira face de Sócrates, apesar de muita maquilhagem e golpes de rins, continua bem visível.

Há, no entanto, um paralelismo a ser feito entre esta situação e aquilo que se assiste actualmente nos jornais açorianos. É que, João Miguel Tavares chamou as coisas pelo nome, disse o que achava, sem meios-termos, sem se refugiar em artigos de opinião, disfarçados de literatura de trazer por casa. E isto revela o tipo de pessoas com que lidamos. São pessoas incapazes de expressar uma opinião abertamente, são pessoas que falam em código para uma pequeníssima minoria, são pessoas que agem sempre na base da dissimulação, são pessoas que se escondem em esquinas a conspirar, são pessoas perigosas e são o tipo de pessoas que dão má reputação à política, que afastam os eleitores da política, porque falam entre si, não dizem absolutamente nada à população. No fundo, é uma espécie que se alimenta de veneno e que, por via disso, vai ficando cada vez mais doente até ao dia em sucumbe. É triste e é uma pena!

6 comentários:

Anónimo disse...

Hoje ich bein ein João Miguel Tavares. Grande malha ! De facto uma das penas impenitentes que vão sobrando nos jornais com sotaque. No resto meu caro Rui essa análise não é exclusiva dos ocs.
JNAS

Anónimo disse...

Ich bin nicht ein JMT, mas adianto-vos que a blogosfera, as redes sociais hi5 e facebook estão completamente dominadas pela máquina trituradora socialista... ppd's ponham-se a pau, qu'eles vam comer tudo, restará muito pouco.

os pumpkin heads que se demitam!

Anónimo disse...

Não podia estar mais de acordo com o que escreve. No entanto, permita-me o reparo, acho que também podia começar a chamar os "bois pelos seus nomes".
Não interprete, por favor, mal as minhas palavras. Mas precisamos, como diz, de clareza de ideias, mas acima de tudo, de opinião livre e descomplexada.

João Cunha disse...

Não me ponhas a falar da tristeza que é o jornalismo açoriano, os nossos jornais são uma vergonha... especialmente a nível editorial.

Em relação à primeira parte do post, sobre Sócrates... o povo português continua a votar no primeiro ministro, e a demonstrar confiança.

Papio cynocephalus disse...

eheh, por acaso estás a falar do fífia? ;)

Rui disse...

não necessariamente ;)