15 março 2010

Apoio Rangel

Como militante do Partido Social Democrata, sou chamado a votar no próximo dia 26 para escolher o líder que sucederá a Manuela Ferreira Leite. Reflecti e analisei as 4 candidaturas, numa dupla perspectiva daquilo que é melhor para o PSD e daquilo que é melhor para o país e para os Açores. E a conclusão a que cheguei é que Paulo Rangel quem reúne mais e melhores condições para dar resposta aos problemas e desafios que se apresentam ao partido e, bem assim, ao país.

Parece uma evidência, desde logo, que o PSD necessita de se demarcar da desastrosa linha política que tem vindo a ser praticada pelos governos socialistas e, em especial, pelos governos Sócrates. É perfeitamente inadmissível a herança que o PS está a deixar às gerações futuras em termos de dívida. Para mais, dívida que é contraída sem qualquer perspectiva de melhorar a economia do país. É exactamente nesse contexto que Rangel centra a sua ideia-chave: Libertar o Futuro. Este slogan tem uma representatividade deveras importante, porque reúne em si uma ideia de desenvolvimento económico e social que recusa onerar o futuro, em nome de interesses dúbios, como aqueles que estão adjacentes às obras megalómanas que se queriam fazer. Aliás, é no afastamento do clima de suspeição, de intriga e de bafio que se vive no poder político em Portugal e nos Açores, que assenta em muito a candidatura de Rangel.

Com uma doutrina realista e esclarecida e claramente à direita tanto dos seus adversários internos, como, evidentemente, do PS, Rangel apresenta, mais do que uma imagem plastificada, soluções concretas para cada um dos problemas e questões da actualidade. Com mundividência e sentido de Estado, consegue pensar os assuntos sempre numa perspectiva global e funcionalista. Por exemplo, em relação aos Açores, Rangel - talvez já pela experiência em Bruxelas – compreendeu que a relação com a União Europeia está claramente descurada pelo governo regional. Se nos afastarmos um pouco da lógica assistencialista e de conflituosidade partidária, que sempre norteou os governos PS nos Açores, chegamos rapidamente à conclusão que não é em Lisboa, mas sim em Bruxelas que se decide quase tudo sobre a vida dos Açorianos. Daí que Rangel tenha concluído que os Açores devem investir mais na relação com a UE (frase já tantas vezes usada neste blogue).

Procura-se, com este projecto, o fortalecimento da classe média, tanto a nível económico, como a nível de conhecimento. Não tenho dúvidas que esta é uma característica essencial das sociedades modernas, pelo que a médio/longo prazo deverá ser um objectivo a cumprir. Por todas estas razões, apoio e votarei Paulo Rangel

15 comentários:

Anónimo disse...

Excelente e inspirado texto. espero que esta mesma lucidez contagie os militantes do PSD/A
JNAS

Toupeira Real disse...

Ora aí está uma boa ideia que eu já tinha interiorizado e transmitido a companheiros próximos, a fim de nos libertarmos da mediocridade socretina e de alguns grilhões internos.

Anónimo disse...

Eu também sou social democrata e acho que nenhum destes 4 candidatos serve o PSD e muito menos o país.

O Psiquiatra de serviço disse...

Já para não falar na lei da rolha que foi uma autêntica bomba atómica no pé. O PSD está a tornar-se cada vez mais num partido de direita, conservador, fechado num verdadeiro grupo de interesses. Como social democrata vejo que qualquer solução de liderança e alternativa está fora do viveiro politico do partido.

O Psiquiatra de serviço disse...

Por cá e com a liderança da "dama das camélias" a coisa assume contornos de anedota.

Anónimo disse...

Que nem a propósito :

http://blasfemias.net/2010/03/14/mancha-deploravel/

geocrusoe disse...

Tornei publico aqui
http://cefariazores.wordpress.com/2010/02/03/razoes-de-apoiar-pedro-passos-coelho/
e reitero o meu apoio a Pedro Passos Coelho.
Depois do congresso fiquei ainda mais convicto que o problema do PSD é não mudar de políticas, pois por norma as substituições de lider fazem-se dentro do mesmo grupo.
Contudo, não direi mal de nenhum candidato e servirei com a mesma lealdade qualquer vencedor em prol da mudança neste país.
Mas não tenho complexo em assumir a minha posição e a defender num debate eleitoral

Anónimo disse...

Coisa que a madrinha do JNAS tem medo de fazer. O candidato dela é o que for vencedor.

Marina da Vila disse...

Creio que as coisas estão bem claras no PSD/A. O vice-presidente da Câmara de Ponta Delgada já prestou apoio público a Passos Coelho. A Presidente da Câmara deu sinais de apoio a Rangel.

É assim no PSD cada um sabe os caminhos que trilha e consegue articular as diferenças e as convergências.

Atreva-se um qualquer socialista mais proeminente a opinar diferentemente do Caudilho e verá o que lhe acontece.

Marina da Vila disse...

Se no PS açores alçguém tiver uma opinião diferente do Caudilho está frito, cozido e vira malassada.

No PSD tudo é diferente: cada um xpressa livremente as suas opiniões sem medo de retaliações.

Anónimo disse...

Marina da vila: tá iasno.

Santanete disse...

Sem medo de retaliações?
isso era dantes, agora com a Lei da Rolha este último comentário deve ser dos "comtemporâneos", só pode ser piada.

Os PPDs começam a ver que só com medo do lider conseguem união....mesmo que essa seja falsa e imposta pelo medo.

ZEZE disse...

Não tarda nada e o PSD ainda aprova que só um poderá concorrer a lider. Este, o concorrente a lider deverá ser sempre indicado pelo actual lider! ah ah ah... este partido está cada vez mais Partido!

Amigo do Serrote disse...

ZEZE

Para se fazer piada tem de se escrever " Este Partido está cada vez mais partido" ou "Este Partido está cada vez mais Partido"(piada mais fina). Da outra forma, é asneira linguistica.

ZEZE disse...

Amigo do Serrote,

Dás explicações? Preciso. Conforme o preço pode ser que aceite.
De qualquer maneira, obrigado pela correcção.