04 junho 2010

O preço certo

Carlos César, com estas declarações, demonstrou que está verdadeiramente incomodado com a sombra, cada vez maior, que Berta Cabral lhe vai fazendo. Senão vejamos, a situação financeira das Câmaras Municipais não é, efectivamente, fácil e para essa situação muito contribui o próprio governo regional, com as dívidas que tem para com o poder local. No caso de Ponta Delgada, por exemplo, o Governo deve cerca de 2.5 milhões de euros. No entanto, o significado político das declarações de César transparecem mais qualquer coisa porque o município de Ponta Delgada não seria, de todo, o melhor exemplo a dar, antes pelo contrário. Pierre Sousa Lima - no incomodativo Facebook – apresenta um quadro que demonstra que a Câmara de Ponta Delgada tem um endividamento per capita abaixo da média regional, havendo outras, como a da Praia da Vitória, com resultados bem piores. Mais, César nunca poderia falar do endividamento das autarquias, quando tem em casa situações muito mais graves, como são os casos da Saudaçor que nem activo tem, apenas passivo. São instrumentos que o Governo utiliza para endividamento puro e duro. É um caso claro de atirar pedras, com telhados de vidro e neste caso os vidros já estão partidos.

O alvo de César é sempre Berta Cabral. Usa tudo e mais alguma coisa para tentar atingir a Presidente da Câmara de Ponta Delgada e sempre sem qualquer tipo de fundamento, como é o caso. Porque será? Será medo? A verdade é que, ao contrário do que alguns bloggers aqui da nossa praça dizem, não é tudo igual, porque este tipo de ataque infundado, constante e desadequado só tem um sentido, parte sempre do mesmo sítio e sempre com o mesmo destinatário. E isso diz muito das prioridades dos intervenientes. Enquanto uns estão preocupados em trabalhar em prol dos cidadãos que os elegeram, outros estão apenas preocupados em atacar os adversários políticos. São duas formas diferentes de encarar a vida pública, uma assente no medo e retaliação, outra assente numa postura positiva, construtiva e de progresso.

7 comentários:

Anónimo disse...

Não é medo é Mania !
JNAS

Anónimo disse...

Não é medo é Mania !
JNAS

Tibério Dinis disse...

Caro Rui,

O anormal seria se não houvesse preocupação do Presidente do Governo Regional em relação à saúde financeira dos municípios. É absolutamente normal referir as empresas municipais da região que têm de longe o maior passivo. Da mesma forma que qualquer declaração de Berta Cabral em relação ao Governo Regional é normal, dado que esta é líder do maior partido da oposição.

A haver medo, só o encontro no teu post. Chamas à colação a Praia da Vitória, como tendo um dívida per capita superior à de Ponta Delgada. Entre outras referes Praia da Vitória. Pelo menos houvesse coerência no teu argumento, se queres referir a relação dívida e o número de habitantes refere: Corvo; Calheta; Vila Franca do Campo; Povoação; Nordeste; Lajes do Pico; Velas; Madalena. Respectivamente, por ordem descendente o top dos resultados com pior relação dívida e o número de habitantes. Então porque referes a Praia da Vitória e não nenhuma das outras com piores resultados na relação que tu próprio mencionas? Porque eram todas sociais-democratas à data do quadro que apresentas? Ou porque mais uma vez, tal como na noite de 11 de Outubro não há pudor em descuidar todos os autarcas sociais-democratas para defender a líder?

A haver medo, só o encontro na tua referência à Praia da Vitória, afinal, nem segues o teu próprio critério.

De qualquer forma, não compreendo como chamas à colação a relação per capita. É verdade que é um dado sobre uma importante receita das câmaras municipais, as provenientes de irs, pe. Contudo não é suficiente para o apuramento dos limites de endividamento, das capacidades de contrair empréstimos ou para analisar a saúde financeira.

Rui disse...

Qualquer outra Câmara que desse o exemplo, daria direito a uma resposta igual à tua, Tibério. Se tivesse falado no Corvo, ou na Vila Franca do Campo, viria um corvino ou um vilafranquense dizer o mesmo.
Mas, na verdade, há também uma razão em especial para colocar o mau exemplo da Praia da Vitória. É que o seu Presidente tem uma boa reputação no que diz respeito à gestão camarária e no entanto, os resultados são estão aí.
Claro que te convém fugir ao assunto, Tibério, mas a verdade dos factos é que César falou mal. Dentro tantas Câmaras que poderia ter falado, foi logo falar da de Ponta Delgada. E ainda por cima, Ponta Delgada tem resultados melhores que a média das restantes Câmaras região, mesmo com as divídas que o próprio governo de César tem para com ela. Porquê?
A leitura política, por muito que te custe, Tibério, é óbvia. César fala da Presidente da Câmara de Ponta Delgada, porque sente a ameaça a pairar cada vez mais próxima e reage. É instinto animal. E é nessas alturas que se comentem os piores erros.
Vai falar da gestão da Câmara de Ponta Delgada, quando há casos bem piores, como o da Praia da Vitória, só para falarmos em autarquias?!? Porque se quisermos vamos para as empresas como as saudaçor...
Eu não tenho medo nenhum Tibério. É um facto o que disse em relação à gestão camarária da Praia da Vitória. Isso não se chama ter medo. Isso chama-se dizer as coisas como elas são. E as coisas são assim. A gestão da Praia tem aqueles resultados, ponto.

Tibério Dinis disse...

Rui,

explica lá a tua leitura na Praia da Vitória. Claro que não utilizarás os 131% de limite de endividamento em 2005 como argumento.

Pelo menos no teu argumento devias ser coerente e utilizar os dados com maior relação dívida/per capita. Mesmo utilizando esta relação e baseando a tua análise nele, estás a deixar de parte todas as receitas que nada têm haver com a relação per capita. Sendo que a relação per capita só tem influência directa numa receita das autarquias, o IRS. Mas mesmo sabendo disso, analisas a saúde financeira das autarquias tendo em conta a relação per capita e traças a tua opinião sobre os municípios. Tendo em conta a relação que fazes per capita, podemos fazer a vários níveis: ex. património municipal, etc. Ou seja, a tua opinião sobre o equilíbrio financeiro baseia-se num cálculo que só tu fazes, associando dívida a per capita - desafio-te a deixar aqui o diploma que faz esta associação. É uma associação meramente estatística e que pode ou não criar curiosidade. Ainda bem, que o teu calculo não é o utilizado para aferir os limites de endividamento.

Basta referir que os dados que surgiram na imprensa nacional sobre contas municipais e empresas municipais foram apenas e somente as duas empresas municipais de Ponta Delgada. Sendo para mim os resultados do Coliseu Micaelense – Soc. Prom. Eventos Culturais, os mais brutais para o seu objecto social.

Ainda não percebi como é que alguém tem medo da líder do PSD, o último ano eleitoral rebate por completo esta tua leitura.

Marina da Vila disse...

O Tiberinho já vestiu a camisolinha. Haja saúde para o tacho!
Ao menos cá na vila franca o nosso Cordeiro não vai diminuir a dívida por não saber como se governa mas isso já nós todos os que votamos nele para correr com o outro percebemos. Estou mesmo arrependida.

El AL CAPONE disse...

Ninguem fala é da derrapagem de 50 milhões de euros das portas do mar, Como é possivel? Se na minha casa fizesse obras e tivesse uma derrapagem proporcional à dimensão da obra, tava bem lixado mas com um "F". Passa lá prá fora essa gestão à papo-seco. O que eu fazia com 50 milhões de euros...