28 janeiro 2008

Suharto, Ford e Kissinger


A propósito da morte de Suharto, deixo um excerto de um documento que foi recentemente tornado público. Trata-se de uma reunião entre o então Presidente dos EUA, Gerald Ford e Suharto, onde também estiveram presentes o Secretário de Estado, Kissinger e o Ministro dos Negócios Estrangeiros da Indónesia, Malik. Este encontro teve lugar a 6 de Dezembro de 1975.


Na página 8 do documento, Suharto levanta o "problema de Timor" porque a FRETILIM havia declarado independência unilateralmente e pergunta ao Presidente americano se se opõe a uma "rápida ou drástica acção". Ford diz que compreende o problema. Kissinger, por seu lado, levanta o problema de não serem utilizadas armas de fabrico americano. Mais adiante, Ford pergunta se há hipótese de uma guerrilha de longo prazo, Suharto confirma que deverá haver guerrilha porque os soldados da FRETILIM estão impregnados de comunismo, tal como o exército português.


Mais informação sobre todo o processo, aqui.

7 comentários:

Anónimo disse...

A morte de alguém, a-final pode ser uma boa noticia.

pedro lopes disse...

Pois é, Rui,

caçaste mais um "tesourinho deprimente" da política externa dos EUA.

Quando se fala na possibilidade de uma ofensiva militar por parte da Indonésia contra Timor, a precupação de Kissinger é se as armas que vão matar aqueles "comunistas" são de "made in USA".!!!! Foi este o mentor da "America, polícia do Mundo", nos últimos anos....ainda bem que já se reformou.

As conversas, agora desclassificadas, andam muito à volta dos pós- guerra do vietman e as futuras alianças dos países vizinhos, com a China à cabeça. E, claro, paira sempre no ar o fantasma do comunismo e da URSS....mas já se fala dos não-comunistas e dão (dá Suharto) como exemplo, a Jugoslávia, Roménia e Cuba (!), como issurrectos
Suharto mostra-se preocupado com o rumo da Ásia.


Rui, uma "justa" homenagem ao ditador ontem falecido :) :)

pedro lopes disse...

..interessante, também, constatar, como Suharto passa do "tema" Timor, para a questão do petróleo.

Rui Gamboa disse...

Pois é, isto é a realpolitik no seu melhor - ou pior, dependendo da prespectiva. Kissinger interessava o melhor para os EUA, mais nada. Assim, patrocinou, neste caso Suharto, para ter a garantia de um país vital (ou mais que isso, até) da região. Temos que ter a prespectiva histórica ao analisar isto e estamos em plena Guerra Fria (apesar de ser num momento menos 'quente').

Kissinger é de facto um caso de sucesso. Apesar de estar envolvido em imensos golpes de estado que levaram à morte de montes de gente, ainda é pago a peso de ouro para participar em conferências. Aliás, ele era desejado cá em S. Miguel em Junho próximo (não posso especificar o tema da conferência), mas tal não será possível devido ao cachet pedido. A 2ª hipótese era Madeleine Albright mas parece que também não dinheiro... veremos quem virá.

Claudio Almeida disse...

Pois Rui, estava espera de ver cá o Kinssinger. Esperamos pelo F. Fukyama, sempre também é uma boa aposta.

O Luis Andrade falou nesta conferência o ano passado, espero que se faça algo interessante e mais do que tudo, que as pessoas participem!

Rui Gamboa disse...

Cláudio,

O Fukuyama vem? Isso é para quando?

Claudio Almeida disse...

Não sei Rui
Mas o Luis Andrade falou no nome dele. Agora se tá ou não confirmado~, não sei!