10 fevereiro 2008

Assim não

Num artigo de opinião no Expresso das Nove, Armando Medeiros explica como foi afastado da Escola Profissional onde leccionava.

Eu fui aluno de Armando Medeiros. É daqueles professores de que não se gosta na altura, mas que mais tarde se aprende a dar o devido valor. Aprendi muito com ele e ficar-me-á na memória para sempre, coisa que não posso dizer da grande maioria dos professores que tive.

Mas este artigo demonstra o caminho que a Educação está a tomar. O facilitismo que impera não se coaduna com pessoas como Armando Medeiros, que é um professor à moda antiga que espera que se lhe reconheça autoridade dentro da sala de aula. Fica também a ideia que as Escolas Profissionais não estão a funcionar da forma que se espera.

O prof. Armando Medeiros não precisa, mas estou solidário com ele.

2 comentários:

pedro lopes disse...

Não conheço o prof. em questão, mas uma coisa é certa; em determinadas idades, os melhores profs. são aqueles que menos exigem e mais faltam.

É como dizes, em algins casos, só com o passar do tempo valorizamos a aprendizagem que certo prof. nos facultou.

No caso em apreço, por não conhecer os intervenientes e só ter lido um "lado da estória", não me quero pronunciar, mas não posso deixar de dizer que a figura do prof. tem cada vez menos autoridade na escola, e parece haver um certo exagero em relação ás questões que são, ou não, pedagógicas e, logo, aceitáveis ou não.

Anónimo disse...

Seria bom saber o que se passou realmente. Este senhor professor, que por sinal, também me deu aulas, hoje trata os alunos por "bolas de sebo" e coisas do género. De facto as Escolas profissioanis estão a funcionar mal. Este senhor com comportamentos destes nem deveria ser professor isto sem falar dos quem por lá andam porque são amigos do sr silva...do sr costa não sei quê, etc.