25 abril 2008

Impressionado?!?

Cavaco Silva diz-se muito impressionado com a ignorância dos jovens hoje em dia em relação ao 25 de Abril. É uma declaração infeliz por duas razões: 1) evidentemente não é razão para ficar "impressionado", é de conhecimento geral que o faciltismo instalado na Educação só pode levar à total ignorância e 2) a referência não deveria ser feita aos jovens, mas sim ao sistema educativo, porque o século XX em geral não faz parte dos programas, nem no ensino secundário, nem mesmo no ensino superior. Esta forma de ensino não é nova, tem origem exactamente no 25 de Abril.

5 comentários:

Anónimo disse...

Plenamente de acordo. É extraordinário que se fale do assunto como se fosse algo que é explicado aos jovens no ensino oficial. É extraordinário que se fale disto como uma revelação surpreendente. É extraordinário que se desconheça tão profundamente a caminhada para a ignorância na sociedade, para a qual o ensino oficial cada vez parece contribuir mais!
Cristina

pedro lopes disse...

Sem dúvida Rui, o alheamento dos nossos jovens reflecte a imprtância, digo, ausência desta, que os curriculos escolares dedicam à nossa história recente, em especial ao periodo que marca a viragem de um regime totalitário e que espartilhava o povo, para uma era de liberdade e igualdade, plena de direitos para todos.

Estas palavras do presidente fazem eco de um estudo por ele encomendado á Universidade Católica, e que visava aferir sobre as atitudes e comportamentos dos jovens portugueses face à politica.

Se não se verificarem mudanças e não surgirem propostas que combatam este alheamento e desconhecimento, estas palavras não serão mais do que......palavras de ocasião e constatação.

Fico, pois, a aguardar.

Rui Gamboa disse...

Parece que o ensino dps do 25 de Abril, nomeadamente a História, quer "vender" algo aos alunos...

E mais não digo, pq esta coisa da Liberdade é mt bonita, mas desde que não se fale contra o 25 de Abril, sob pena se sermos imediatamente apelidados de "fascistas".

JRV disse...

Caro Rui Gamboa, andamos sintonizados quando à identificação de uma das causas do alheamento político da juventude - os programas de História - embora o meu post venha com um atraso significativo relativamente ao seu.

Mas não percebo bem essa sua relação com a questão do facilitismo ou do ensino pós-25 de Abril "querer vender algo". Se assim fosse, não começaria por vender o próprio "25 de Abril", doutrinando os estudantes sobre o que se passou há 34 anos atrás?

Terei percebido mal o seu post e seus comentários?

Rui Gamboa disse...

O facilitismo não me parece ser algo que tenha sido planeado, é apenas uma consequência lógica da falta dessa mesma falta de planeamento que se seguiu ao 25 de Abril.

A questão dos programas é diferente. Parece-me que há um objectivo claro de deixar esses acontecimentos ali paradinhos no tempo. Talvez por aquela razão que é tantas vezes invocada que ainda não há o necessário distanciamento temporal. Realmente, caro JRV, tem muita razão naquilo que diz, porque razão não se incluí o 25 de Abril? É estranho, no minimo. Penso que a questão de doutrinar os alunos passa e muito pela repetição exaustiva da Revolução Francesa, qualquer aluno hoje (bem, alguns) sabe quem é o Robespierre e não sabe quem é Salgueiro Maia ou Raimundo Narciso.

Eu não tenho qualquer tese em relação ao assunto, agora, tal como o JRV, acho estranho que seja assim. Na parte que me toca, no meu percurso escolar, dei pelo menos 2 vezes a Rev Francesa no secundário e mais 2 no superior e quanto à Hist. de Portugal acabou sempre ali no final do sec XIX, com a geração do Anthero. Porquê?