26 outubro 2008

Conservapédia vs. Wikipédia

É certo e sabido que a Wikipédia não é uma fonte credível de informação. O facto de qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo, poder contribuir para os seus conteúdos é mais do que suficiente para ficarmos de pé atrás. A este respeito, já agora, convém dizer que a Wikipédia ainda é aceite como bibliografia em alguns trabalhos universitários. É lamentável. Não tanto, porém, como ser utilizada para ligações em blogues tidos como de referência.

Mas tomemos, então, o tema deste postal, a Conservapédia vs. a Wikipédia. Aparentemente, as hostes mais conservadoras americanas não se reviam nos conteúdos da Wiki, vai daí decidiram criar algo semelhante, com a simples diferença que só são permitidos contributos conservadores, pois claro. A grande vantagem da Conservapédia é, por isso, o facto de sabermos sempre o que esperar e de não ser vista como referência em nada, ao contrário da Wiki.

Vamos a exemplos concretos. Em tempo de eleições nos EUA, vejamos, muito brevemente, o que dizem Wikipédia e Conservapédia sobre Obama.

A Conservapédia diz que Obama “alegadamente nasceu em Honolulu” (há quem diga que o certificado de nascimento de Obama é falso e que na verdade não é um cidadão com o direito de concorrer à presidência) e que se for eleito será a “primeira pessoa com ligações a um conhecido grupo terrorista, a ter controle sobre as bombas atómicas” (alusão à ligação entre Obama e Bill Ayers, terrorista confesso), adiantando ainda que será o primeiro presidente muçulmano dos EUA, apresentando, sobre o assunto, uma lista de “provas arrasadoras”. O artigo é longo e ataca (quase) tudo em Obama.

Na Wikipedia, Obama nasceu mesmo em Honolulu e professa o cristianismo (Igreja Unida de Cristo). Além disso não há qualquer referência a Ayers, nem à maioria das outras acusações da Conservapedia.

O melhor mesmo é ler as duas, mas não acreditar em nenhuma.

3 comentários:

Tibério Dinis disse...

Não quero acreditar que a wiki seja aceite como bibliografia numa universidade, já é suficientemente mau ser aceite no ensino secundário.

Nos artigos sobre pessoas devia existir um "exame prévio", afinal a honra e dignidade humana devia prevalecer sobre tudo...

Quanto aos conteúdos têm vindo a suceder-se casos. Em política, história e religião é melhor não acreditar em uma única linha. Isto porque acho que tem aspectos posítivos em matéria geográfica e em monumentos, onde é o único lugar que se encontra informação on-line porque há escassez de informação alternativa.

Cumprimentos

Rui Gamboa disse...

Pois, creia-me que a Wikipédia foi aceite bem recentemente como bibliografia em trabalhos universitários.

Se for para fazermos passar informação a outras pessoas (por ex. via blogues), entre não ter informação e ter a informação da wiki apenas porque é a única, eu, se calhar, prefiro mesmo não ter nenhuma. Agora, para consumo próprio, se tivermos uma capacidade mínima de filtragem, aí, como digo no postal, só faz bem ver e ler tudo o que se possa.

Papio cynocephalus disse...

há gente que faz os quatro anos da universidade com a wikipédia..quanta à conservapedia, creio que deveria inclusivamente haver um link directo de Obama para o Anticristo