09 fevereiro 2009

A Vida Pública de Salazar

Da série A Vida Privada de Salazar, retenho a seguinte ideia: durante a guerra, Salazar raramente saiu do seu gabinete, tentando fazer tudo para manter Portugal fora do conflito. Achará, para sempre, que o seu esforço não foi reconhecido.

Ora, das modestas investigações que tenho realizado, a conclusão que chego é que Salazar foi um autêntico monstro diplomático, fazendo as grandes nações beligerantes respeitarem verdadeiramente Portugal e para este facto muito contribuiu a posição geoestratégica dos Açores, na luta contra os submarinos alemães (apesar de alguns historiadores, como António José Telo, não o reconhecerem). Foi o responsável da neutralidade do país, através de uma enorme perspicácia, capacidade de antecipação, um bom serviço diplomático e alguma sorte. A História far-lhe-á justiça neste aspecto.

5 comentários:

Tibério Dinis disse...

Concordo caro Rui, acrescentaria apenas, que apesar da época ser diplomaticamente muito exigente, foi aquele que mais contrapartidas conseguiu para os Açores em virtude na cedência do nosso espaço.

Haja Saúde

blueminerva disse...

Ficamos a saber que de Santa Comba Dão saíu um predador sexual.

beijinhos

Jordão disse...

Gostei da série mas também achei um pouco enfadonha. Aliás como resto do cinema, ou ficção como queiram chamar-lhe. Made in Portugal.

Aqui há mais criticas à série, que não liderou audiências, como esperavam os responsáveis:
http://dn.sapo.pt/2009/02/10/media/historiadora_arrasa_serie_sobre_sala.html


Os Açores eram um trunfo muito importante e ele soube usar muito bem!

Estafermococus disse...

Sim, foi inteligente, seja feita justiça. Também costumo dizer que ao abrigo da corrente nacionalista e da glória lusitana, fez mais pelo património arquitectonico/cultutral e sua preservação do que muitos outros, todos juntos, que se lhe seguiram. Tirando isso, pouco mais, ...

Miguel disse...

A série está decalcada do livro das mulheres do "Toninho", daí toda aquela libido...eh eh!