09 julho 2009

O "X" Marca a Qualidade (ou não)

Com o começo do mês de Julho, assistimos às televisões generalistas inaugurarem as suas grelhas de Verão. Na mesma linha, talvez, o jornal Açoriano Oriental decidiu alterar o layout das páginas destinadas à opinião, numa espécie de baralhar e voltar a dar, só que empacotando tudo na mesma página. O resultado é deveras constrangedor; além do efeito visual maçudo e complicado, os textos tiveram de passar por uma dieta rigorosa - certamente para seguir a moda de Verão -, o que os torna praticamente inúteis, dado o pouco espaço para desenvolver ideias que é reservado aos autores.

Ora bem, deverá ser por estas razões que vamos encontrando pérolas dignas de registo no espaço de opinião diário do AO. Pois então, na passada terça-feira, o twiter Repórter X fazia uma comparação verdadeiramente descabida entre a Câmara Municipal de Ponta Delgada e o Governo Regional (através da Direcção Regional de Cultura) sobre os montantes dos apoios atribuídos a agentes culturais. Será (quase) escusado dizer que a capacidade financeira dessas duas entidades não é comparável. Depois, a crónica parte para o obrigatório juízo de valor. Assim, sentencia o Repórter X que os eventos culturais promovidos pela CMPD são nivelados por baixo e populistas e não têm um factor qualitativo e inovador, aludindo certamente àqueles do Teatro Micaelense.

Então o que é qualidade e inovação? E o que é populista e nivelado por baixo? Como se consegue catalogar cultura desta forma? Será que qualquer evento que esteja apinhado de gente é populista e não presta? Haverá um número máximo de espectadores para um evento ser considerado inovador e com qualidade? Não haverá aí influência partidária no meio desse catalogar em série por parte do X?

13 comentários:

Engenheiro de Domingo à Tarde disse...

Eu prefiro assistir aos espectáculos degradantes no Parlamento Regional a qualquer um dos espectáculos no Teatro Micaelense.
Primeiro porque inovam na forma de contracenar no mesmo espaço, usando tecnologia de ponta como o Twitter.
Segundo porque os actores estão fechados na mesma sala com câmaras a filmar tudo o que por lá se passa (nem o BigBrother os bate) portanto não perdemos pitada da comédia que lá se passa.
Terceiro porque o suposto líder regional está sempre ausente, logo em casa sem líder todos brigão e ninguém tem razão, ao melhor estilo das novelas mexicanas.
Portanto, menino pascoal esteja calado e quando quiser falar, levante o dedo ( ou os dois, como quiser)

Haja paciência

Anónimo disse...

é o AO em formato twitter ou lá o que é que se chama ! Quanto à crónica do Alexandre falha na comparação impossível entre dois universos diferentes.

Anónimo disse...

JNAS

José Antónimo disse...

... e vossas excelências não perdem a oportunidade de aproveitar o podre do pobre coitado para o achincalhar até ao tutano. Típico. Sem escrúpulos. E assim vamos vivendo.

Assessor do Promotor Cultural disse...

Ò GAMBOA
Obviamente que o homem lá saberá do que fala, então não tem como profissão(?) aquela coisa de produtor (ou promotor) cultural, seja lá o que isso for? Claro que só por isso deve ser um homem culto, daqueles que existem para conduzir os demais no caminho da verdade

Cookie Monster disse...

malta, é preciso dar um desconto ao rapazola, porque ele tem de justificar o prato de lentilhas...

Gamboa, nem se percebe como perdes tempo com isso... tens mais para dar..

José disse...

Monstro das Bolachas, percebe-se. Basta fazermos a mesma última pergunta do texto dele, mas assim:

Não haverá aí influência partidária no meio desse criticar em série por parte do R.?

r. disse...

Ò "José", repare que eu suporto as minhas opiniões com argumentos, já o X decreta e sentencia, sem argumentação de qualquer espécie, bem ao seu estilo, aliás. ;)

Ou seja, as minhas posições, como bem se vê, partem das minhas convicções pessoais. Já as outras, uma vez que não têm argumentação que as suporte, aí sim, pode-se tirar a tal conclusão.

Este tipo de debate, é tão fácil... Vá lá, você vale mais que isso, de certeza..

"José" disse...

Rui, não disse que não concordava contigo. A brincadeira do X é de lamentar. Agora, servires-te da porcaria que ele faz (e diz) para criticar o partido teu oposto também não é grande coisa. Isso de ter a mira sempre apontada para o mesmo sitio todos têm feito. Espero igualmente que valhas mais do que isso, não queiras ser mais um dos tais.

r. disse...

Mas, por acaso, neste caso, não critiquei o partido oposto, apenas tentei demonstrar que aquilo que foi escrito num jornal está longe de ser a verdade.

Repara o seguinte, como é possível comparar os apoios de uma Câmara como a de Ponta Delgada, com o apoios do Governo Regional? Não é possível e eu, perante as minhas convicções, achei que isso não poderia passar em claro.

Por outro lado, acho que o próprio tb sabe que tal não é possível de ser comparado, mas ainda assim fá-lo. Porquê??? A única razão deverá ser a tal influência partidária.

Penso que isso ficou claro naquilo que escrevi. Já a conclusão que tiras ao inverter a interpretação para mim, é infudado, como eu aqui demonstro.

No fundo, se concordas comigo e tendo por base a tua interpetação que a minha abordagem tem por base influência partidária, tb tu estarás sob essa influência partidária.

A tua opinião só seria válida se eu estivesse a defender o indefensável, a favor de um partido, tal como o X fez.

É incomparável. E não aceito a tua opinião sem argumentação.

Se queres entrar por aí, tens que te esforçar mais.

José disse...

Onde já vais, homem. Não fui além do episódio twitteriano. Para que é que andas a complicar o óbvio? Ou somos todos santos? Vou esforçar-me em coisas mais úteis, bom fim-de-semana.

r. disse...

Então??? Mas eu não falei sobre o episódio do twitter aqui.

Eu parto sempre do princípio que estou a dialogar com pessoas que compreendem minimamente a realidade em que vivem. Deste modo, estava à espera que quando comentaste, estavas-te a referir ao assunto do post, uma vez que comentaste este post. Isto até pode parecer complicado, mas na verdade não é.

Complicar o óbvio?!?! O óbvio seria tu a comentares aquilo que eu escrevi e não partires para outras coisas dentro da tua cabeça.

Isto há cada um...

"josé", receio mas foi (mais) uma oportunidade perdida para estar quieto. Mas volta sempre, vai tentando, um dia hás-de acertar.

r. disse...

Vê lá, "josé" que eu até pus uma espécie de aviso aqui na caixa de comentários para comentadores mal avisados como é o teu caso.

Ab. e no hard feelings :D